Storytelling no marketing: como usar a estratégia para escrever roteiro - Studio DMS - Agência de Marketing Digital

Storytelling no marketing: como usar a estratégia para escrever roteiro

Marketing Digital

Compartilhe:

Storytelling e marketing são duas palavras que podemos considerar que andam juntas quando falamos em uma estratégia de atração que cativa, emociona e deixa as pessoas curiosas para saber o fim daquela trama.

Se olharmos a tradução natural de storytelling, significa narrativa, mas no bom português, podemos dizer que é a arte de contar histórias e falar exatamente com a pessoa que você precisa, com palavras-chaves que fazem sentido para ela.

Assim, você consegue captar a atenção da pessoa ideal e vender a sua ideia, sem necessariamente dizer que aquilo é uma venda.

Mas, como tudo isso se encaixa no roteiro? Bem, desde o início!

Quando falamos em roteiro, falamos diretamente em contar histórias. Afinal, como produzir algo sem saber qual é o seu objetivo final? Seja um vídeo para YouTube, uma reportagem para televisão, um filme ou um comercial publicitário, todos possuem um roteiro bem estruturado.

O que é storytelling

Storytelling é uma linha de narração, ou seja, contar uma história com início, meio e fim.

Não existe uma fórmula mágica para desenvolver conteúdos focados em storytelling, porque cada pessoa possui uma maneira muito individual de escrever e tudo também vai depender do produto final que vai surgir daquela história.

Afinal, o storytelling no marketing pode ser usado para produzir e-mails, posts para as redes sociais, anúncios, vídeos…

No entanto, existe um formato muito utilizado e conhecido: a Jornada do Herói, de Joseph Campbell, apresentada no livro “O herói de mil faces”.

De acordo com Campbell, todas as histórias giram em torno de um herói, já que o personagem passa por diversas situações e enfrenta muitos problemas no percurso, até chegar ao momento da resolução. Uma forma muito simples de identificar isso é nos filmes de heróis, propriamente ditos, em que há sempre um conflito muito claro antes do desafio final.

A jornada é dividida em 7 etapas:

Introdução

O seu público precisa ser apresentado àquele universo, conhecer os personagens e em qual contexto eles estão inseridos. A introdução é muito importante, porque é ela que vai chamar a atenção da sua audiência e vai definir se as pessoas vão acompanhar o seu vídeo até o fim.

Conflito

A vida não é um mar de rosas, já diz o ditado pular. Por isso, na jornada do herói, logo existe um conflito, também para gerar curiosidade em quem assiste ao vídeo. A nossa dica é para que você não demore muito para introduzir esse conflito, ele pode ser algo pequeno, como um problema do dia a dia enfrentado pela sua persona.

Recusa do chamado

Também podemos chamar essa fase de “charminho”. Brincadeiras a parte, quem nunca pensou em ignorar um problema e resolver em outro momento? Aqui, é quando isso acontece.

Se possível, separe o conflito em partes e apresente motivos para o seu personagem desistir.

Ajuda necessária

Quando parece que o seu personagem vai chutar o balde, ele encontra a ajuda necessária para enfrentar o conflito. Assim, surgem novas formas de como superar esse problema, de modo que o personagem tenha certeza que ele vai conseguir passar por essa fase.

A grande virada

Esse é o momento perfeito para passar confiança para o seu público, pois ela mostra que, ainda que o caminho tenha sido dificultoso, seu personagem está pronto para enfrentar o que for preciso.

Por ter acompanhado todas as fases anteriores, a sua audiência já criou empatia pela história e vai torcer pelo personagem.

A grande virada é uma fase decisiva, porque é a parte principal para a conclusão da narrativa.

Conclusão da história

Aqui, ocorre o desfecho da história. Essa etapa é muito importante, pois mostra como as escolhas que tomamos podem interferir no nosso futuro, mudando algumas coisas.

Confira um exemplo de campanha com storytelling:

Como construir um roteiro com storytelling

Agora que você já entendeu o que é storytelling no marketing e conheceu a jornada do herói, chegou o momento de entendermos como usar essa narrativa na construção de roteiros.

Mas, lembre-se: não é porque a jornada do herói existe, que ela é um formato obrigatório de uso. Em alguns casos, nem todos os passos se aplicam na narrativa e você precisa adaptar a mensagem que quer passar de outra forma, para que ela tenha o impacto desejado.

Isso significa que você já está pronto para escrever? Ainda não! Produzir um roteiro com storytelling no marketing envolve diversas etapas importantes, antes de realmente começar a colocar a ideia no papel. Afinal, é preciso amadurecer aquela primeira ideia e entender se ela tem um futuro promissor ou se será necessário buscar outros elementos para compor a história.

Conheça o seu público antes de produzir

Uma flor pode ser a inspiração para escrever um roteiro, mas, antes de começar a desenvolver essa ideia, você precisa conhecer o seu público e entender se ele realmente vai se sentir atraído por esse elemento.

Por isso, a nossa dica é para que você construa uma persona. Assim, vai entender o que é relevante para ela e não vai desperdiçar tempo e energia produzindo algo que não vai ter um bom resultado.

Veja nos próximos tópicos os passos para fazer um roteiro!

Storytelling no marketing: fundamente a sua ideia

Nós sempre vamos ter um objetivo final. No vídeo que apresentamos acima, o objetivo era vender perfumes para o natal. Porém, o que causa impacto é a forma como a mensagem foi construída, de uma filha que passa a noite viajando para estar junto do pai, que é piloto de avião.

Apesar de ser uma propaganda emocionante, temos certeza de que ela não surgiu do nada. Por isso, a primeira tarefa é fundamentar a sua ideia!

Planeje como tirá-la do papel, quais serão os personagens e o conflito principal da narrativa.

Sugerimos que você faça muitas pesquisas nessa fase sobre o tema principal, observe pessoas na rua e como elas se comportam, converse com pessoas que se interessam pelo assunto. Tudo isso vai ajudar a construir a narrativa.

Quando tiver essas questões resolvidas, vai ser mais fácil entender qual caminho você deve seguir e fazer aquela pequena inspiração, como um perfume, se tornar um roteiro concreto e completo.

Storytelling no marketing: defina o conflito

Como você viu na jornada do herói, o conflito é uma parte muito importante do roteiro. Afinal, ele vai incitar a curiosidade do espectador e vai definir o tom de toda a mensagem.

Por exemplo, se você tem uma empresa de tecnologia, pode produzir um roteiro em que o conflito principal é o fato de que o personagem perdeu todos os dados da empresa e não sabe como recuperá-los. Assim, você pode apresentar a sua solução, de forma sutil, mostrando a resolução do problema.

Storytelling no marketing: construa os personagens

Sem personagem, não tem história! Novamente focando no exemplo de uma empresa de tecnologia, o ideal é que o personagem se pareça com a persona desenhada, por exemplo, um gestor de TI. Afinal, isso vai gerar identificação no público-alvo.

Storytelling no marketing: desenhe a curva dramática

Em todo roteiro, seja ele curto ou não, existe uma curva dramática. Afinal, nosso personagem é levado por um conflito e, conforme o desenrolar do vídeo, ele se encaminha para uma solução.

Por exemplo, se o seu produto é voltado para acadêmicos com financiamento, para reduzir o valor da mensalidade, o conflito que pode ser apresentado e muito usado é tocar na dor daquela persona. Ou seja, o ônus financeiro que a mensalidade vem causando.

Assim, você consegue chegar na grande virada da história, que é apresentar a sua solução.

Storytelling no marketing: argumento e escaleta

O argumento é a fase em que você vai começar a escrever. Ele é um resumo detalhado da história e de tudo que você imaginou para aquele personagem, com sentimentos, emoções e reviravoltas.

Já a escaleta é a estrutura do roteiro, com informações de cada cena para demonstrar como a história irá se desenvolver.

Storytelling no marketing: escreva o roteiro!

Sim! Chegamos ao momento de escrever o roteiro. Essa fase pode parecer assustadora, mas, se você realizar as etapas anteriores, vai entender que já tem informações o suficiente para sentar e focar nos diálogos, ligando as cenas e inserindo informações necessárias para a edição final.

Storytelling no marketing: revise

Assim que o material estiver pronto, é a hora de revisá-lo e entender se ele realmente fala com a sua persona e se entrega a mensagem desejada e esperada. Você pode pedir para outras pessoas revisarem o roteiro e apontarem se existem falhas na história.

Tudo pronto? Hora de gravar!

Como apresentamos lá no início, quando estamos falando em storytelling no marketing, estamos falando em construir uma narrativa cativante e emocionante, com início, meio e fim.

Dessa forma, o storytelling pode ser adaptado para diversos modelos de materiais e para empresas dos mais variados segmentos, desde varejo a tecnologia.

Agora é a hora de colocar as nossas dicas em prática! Por isso, estruture uma persona, pesquise o máximo que puder, defina o conflito e, somente depois de ter realizado todas as etapas, comece a escrever!

Na hora de gravar, você sempre pode contar com ajuda profissional para ter um material mais refinado. Mas, também pode fazer uma produção gravada inteira com o celular, tudo vai depender da mensagem que você deseja passar.

Esse conteúdo ajudou você? Compartilhe com quem também pode precisar de ajuda!

Atendimento Studio DMS